8 fatos sobre o sexo que você provavelmente não sabia sobre as mulheres



Há uma enorme falta de compreensão quando se trata da sexualidade feminina, desde o orgasmo até a disfunção. Parte do problema é que os campos de ciência e investigação ainda são dominados por homens; não é uma coincidência que sabemos mais sobre o pênis do que o clitóris. Há também pouco conhecimento da anatomia feminina entre homens e mulheres.

Sorte para você, nós trouxemos alguns fatos pouco conhecidos sobre o assunto.

1. Orgasmo vaginal é na verdade um orgasmo clitoriano interno

A única finalidade do clitóris de uma mulher é o de proporcionar prazer. Aproximadamente 8.000 fibras nervosas sensoriais estão localizadas no clitóris, quase o dobro da quantidade encontrada na cabeça de um pênis. Mas há mais: O clitóris é na maior parte subterrâneo, o que significa que existe principalmente no interior da vagina. A massa circular sobre o exterior está ligada ao veio do clitóris interno, e estimular esse eixo seja com um pênis ou brinquedo sexual pode aumentar muito a estimulação.

2. Não são só os homens que querem

A ideia de que os homens são os únicos que pensam sobre sexo o dia todo é mais comum, (e o fato de que eles pensam no assunto uma vez a cada 7 segundos não foi provado pela ciência). Uma pesquisa recente de fertilidade feita pelo app Kindara descobriu que 53% das mulheres não estavam fazendo sexo tanto quanto elas gostariam. Na verdade, quase três quartos das entrevistadas gostariam de ter relações pelo menos 3 vezes por semana.

3. Já foi considerado loucura

As mulheres que viviam no século 19 eram consideradas loucas por terem impulsos sexuais. O médico George Taylor chamou de histeria, um transtorno mental que incluía sintomas como “lubrificação vaginal excessiva” e “fantasia erótica”. O tratamento era feito com choques e massagem pélvica.

4. Mais fluídas

Em 2015, um polêmico estudo publicado no Journal of Personality and Social Psychology descobriu que as mulheres eram igualmente atraídas por homens e mulheres, indo tão longe a ponto de dizer que elas só poderiam ser gays ou bissexuais (umas mais, outras menos). Não é um estudo generalizável, mas ecoa um estudo anterior que sugeriu que mulheres evoluíram para ser mais “fluídas” do que os homens, como um mecanismo para reduzir o conflito e tensão entre as esposas em casamentos polígamos.

5. Tamanho não importa

Estudos sobre a relevância do tamanho do pênis de um homem para mulheres sugerem que é importante – mas um vídeo 2015 feito pelo Cut.com, um site dedicado a conteúdo de vídeo, mostrou mais mulheres em desacordo com esta ideia do que qualquer outra coisa. Para muitas delas, o importante é “saber usá-lo”. E há uma pesquisa também que mostra que os homens se preocupam mais com o tamanho do que as mulheres.

6. Personalidade

Em um estudo de 278 casais heterossexuais recém-casados durante seis meses ou menos, os pesquisadores descobriram que tanto os maridos quanto as mulheres com baixos níveis de neuroticismo relataram estar mais satisfeitos com suas vidas sexuais. Em seguida, um estudo publicado no Journal of Research in Personality descobriu que mulheres que sentiam a pressão de um parceiro para ser o mais perfeito possível afetava o seu desempenho sexual, possivelmente aumentando o risco para a disfunção sexual e ansiedade.

7. Maçã é um afrodisíaco

Um estudo italiano descobriu que as mulheres que comiam mais maçãs experimentavam um aumento da lubrificação e função sexual, aumentando a sua libido em geral. Os pesquisadores acreditavam que a ligação tinha a ver com o phloridzin, um composto chave nas maçãs que “imita” o hormônio sexual feminino estradiol , que desempenha um grande papel na lubrificação vaginal e sexualidade feminina.

8. Infertilidade impacta 1 em 8 mulheres

Pesquisadores em um estudo recente foram surpreendidos ao descobrir que quase metade das pessoas que experimentavam infertilidade não tinha procurado ajuda. Isso pode afetar negativamente o bem-estar das mulheres, possivelmente levando à depressão e estresse emocional.